Leituras da semana

Música simples e minimalista: gosto!

24 setembro 2014


Descobri esta banda e esta música assim sem querer. Estou viciada.

Vivo bem sem… #2

22 setembro 2014


Nesta rubrica do blog vou falar-te sobre coisas que deixei de usar/fazer desde que comecei esta aventura minimalista.

Vivo bem...


Notícias

Longe vai o tempo em que víamos as notícias enquanto tomávamos o pequeno-almoço. Como acordamos cedo e fazemos tudo nas calmas, tínhamos tempo para ligar a tv e acompanhar as notícias. Confesso que muitas vezes ficava logo mal disposta de manhã. Depois comecei a perceber porquê. Infelizmente os canais de televisão só se focam em más notícias, ficando as notícias positivas para os últimos 5 minutos. Cansei-me e deixei mesmo de ver notícias. Também não as leio. Acho que é perda de tempo e aquilo que é realmente importante acabamos por saber. Além disso, no trabalho acho que todos os dias alguém comenta alguma notícia! Os meus colegas estão sempre muito bem informados e lêem-nas por mim :)



Perfume
Nunca usei muito, mas era um hábito diário. Até que descobri que os perfumes estão cheios de químicos e, portanto só fazem mal. Por isso para quê usar? Gosto de cheirar bem, claro, mas não acho que o perfume seja necessário para isso. E depois é sempre menos uma coisa a fazer quando saio de casa e também menos uma a ocupar espaço. Por isso adeus químicos e olá poupança!



E tu vives bem sem…?

Leituras da semana

19 setembro 2014


Parece que o mau tempo veio para ficar e as minhas galochas já viram a luz do dia! Confesso que gosto de chuva, mas preferia estar em casa bem enroladinha numa manta no meu sofá e acompanhada de um bom chá. Mas não pode ser, por isso vamos lá arranjar ânimo!











Bom fim-de-semana!

Go slowly: pensa no momento presente

17 setembro 2014


As “go slowly” são pequenas dicas que podemos implementar no nosso dia-a-dia que nos permitem viver de forma mais lenta, relaxada e feliz. Fazem-nos ver a vida de outra forma e ensinam-nos a valorizar as pequenas coisas. Vamos a mais uma dica?

Sempre tive problemas com ansiedade e nervosismo. Embora sempre tenha disfarçado muito bem. Com o minimalismo a ansiedade diminuiu imenso, deixei de pensar em metade das coisas que pensava e aprendi a controlar melhor a mente. E consegui fazê-lo sobretudo porque a mente, tal como a minha vida e a minha casa, se tornaram mais simples e mais organizadas! Mesmo assim, ainda precisei do yoga para ir um passo mais além. O yoga que se pratica numa escola ou em casa não fica lá, vem connosco cá para fora e sentimo-lo em todo o lado. As posições desconfortáveis em que temos que ficar simbolizam as situações desconfortáveis pelas quais temos que passar na nossa vida e se no yoga conseguimos suportá-las, com boa respiração e com a energia que nos envolve, na vida real também o conseguiremos fazer. Todos os benefícios de uma respiração completa serão também sentidos nos momentos mais stressantes, porque o nosso corpo já sabe como respirar devidamente!

E o quê que tudo isto tem a ver com pensar no momento presente?

Ora apesar de ter uma vida e mente mais simples e organizadas e apesar de praticar yoga, não é assim tão simples! Ainda há algo a fazer nas alturas mais stressantes... E o que faço é simplesmente concentrar-me no momento presente! Quando começo a pensar no que tenho que fazer no dia seguinte, ou na semana seguinte ou depois, começo logo a entrar em pânico porque tenho muitas coisas para fazer, porque é fim-de-semana e não quero perdê-lo a fazer coisas para o trabalho, etc. Então simplesmente respiro fundo e penso no agora, penso que não vou fazer nada neste momento e que não me adianta nada pensar no futuro, um momento de cada vez. Se esta semana tenho esta apresentação, então na segunda começo a pensar nela e preparo tudo (faço listas, penso na estrutura e depois começo a treinar), se tenho esta ou aquela reunião também vou preparando uma de cada vez (anoto a agenda/objectivos da reunião...). E, na semana seguinte, logo se vê, vou tratando do que aparecer com calma. Pois se ficar ansiosa, em pânico, só vai piorar! Não vou conseguir fazer nada e só vou prejudicar a minha saúde, portanto não compensa. Claro que na prática isto não é assim tão fácil, mas com a prática consegue-se, acreditem que sim. Esta técnica é também muito útil quando temos que falar em público e para muitas outras situações (não apenas para a vida profissional).

O segredo é mesmo respirar fundo, pensar no momento presente, falar com alguém, anotar o que nos vai na cabeça e planear o que pode ser planeado.

Se eu consigo qualquer um consegue :)




No spending month de volta!

15 setembro 2014


Lembras-te da técnica do "no spending month"?

Pois é, volta e meia gosto mesmo de a pôr em prática. Adio a ida ao supermercado (só costumo fazer compras mensalmente) e tento gastar tudo, mas mesmo tudo o que tenho em casa! Assim também aproveito para lavar todos os frascos onde guardo a comida e também os frascos das especiarias.

Esta técnica é boa para evitar que a comida se estrague e também para poupar. Além de irmos mais tarde às compras e gastarmos o dinheiro mais tarde, acabamos por gastar menos! E porquê? Porque constatamos que a comida dá para muito mais tempo do que pensávamos e conseguimos ser muito mais criativos e fazer refeições mais económicas.

Este mês já eliminei mais alguns itens da minha lista de compras habitual, já fiz receitas que nunca me tinha lembrado antes e já anotei algumas ideias para poupar mais algum dinheiro nos próximos meses.

E tu costumas usar esta técnica em casa?

Update: Por aqui também se falou sobre este assunto.

Leituras da semana

12 setembro 2014


Posts interessantes:

Sobre a força de vontade.

Sobre a mudança (esta história da bicicleta é igualzinha à que aconteceu comigo, lembro-me como se fosse hoje, incrível!)

Algumas ideias preconcebidas sobre um professor de yoga. (Adorei ler! E é engraçado como muitas das coisas fazem sentido para quem quer ter uma vida simples e saudável, mas lido desta forma não tem piada nenhuma, ainda bem que não conseguimos fazer tudo de forma perfeita! A imperfeição é que é que nos dá vida!)


Descobri alguns destes blogs nas férias e li-os praticamente do início ao fim:






Vivo bem sem... #1

09 setembro 2014


Vou começar uma nova rubrica no blog sobre coisas que deixei de usar/fazer desde que comecei esta aventura minimalista. Cá vai a primeira!

Vivo bem sem…

Verniz/esmalte

Deixei de usar verniz de vez! Pelo menos por agora. Usava apenas verniz transparente porque sem ele as unhas partiam-se mais facilmente e pareciam ficar mais fracas. Nas férias aproveitei para ficar sem verniz durante mais tempo e não é que após 2 semanas as unhas ficaram muito melhores? Foi como se tivessem voltado ao estado natural e tivessem deixado de sentir a falta de verniz. Claro que isto não quer dizer que não vá usar nunca mais, mas para já vou aproveitar que o que eu tinha acabou para não usar mais. Afinal está carregadinho de químicos e só nos faz mal (apesar de já existirem algumas alternativas saudáveis, mas que são muito mais caras). Neste momento vivo bem sem ele e as minhas unhas respiram melhor!



Café

Lembras-te quando falei aqui, que gostaria de conseguir deixar de beber café? Pois é, consegui! Aproveitei as férias para começar a reduzir as quantidades, aos pouquinhos. Depois comecei a intercalar dias em que bebia e outros em que não bebia. Em alguns dias bebi chá preto para compensar.

Deixei de sentir dores de cabeça e curiosamente não tive sono nenhum! De manhã costumo sempre beber água com spirulina ou adiciono-a aos sumos/smoothies. Também costumo adicionar um pouco de canela em pó ou nos smoothies ou no leite de soja+café (agora uma bebida de cereais sem cafeína que imita o café) e também vou bebendo água com sementes de chia ao longo do dia. Tudo isto faz com que tenha sempre imensa energia. Por isso adeus café! Foi uma relação duradoura mas já não preciso mais de ti!


E tu vives bem sem…?

Reflexões à chuva

07 setembro 2014


Post em modo desabafo. Escrevo muitos desabafos mas acabo sempre porque nunca os publicar por achar que pouco ou nada têm a ver com o tema do blog. Hoje quis fazer diferente. Afinal nunca se sabe, posso encontrar alguém desse lado no mesmo caminho que eu!


Hoje escrevo de pé na companhia da chuva. Adoro ouvir a chuva, sobretudo no silêncio. As janelas ainda estão quase todas fechadas, os vizinhos ainda estão todos os dormir e eu cá estou, cheia de vontade de escrever e de fazer grandes reflexões de vida...

As minhas estações favoritas do ano aproximam-se e mal posso esperar. Adoro mantas quentes e aconchegantes, chás e comidas acabadas de sair do forno.

A chuva faz-me reflectir e estar no momento presente. Acalma-me e põe-me em modo slowly sem grande esforço.

Também adoro andar à chuva mas isso já tem um efeito completamente diferente. Faz-me rir e ficar cheia de energia. Talvez fosse mesmo isso que eu precisava agora...

Não tenho tido grande vontade de cozinhar, nem tenho tido grandes ideias, ando sem vontade de tirar fotos, de as editar e de fazer coisas criativas.

Sinto a cabeça e o corpo cansados, apesar de ter descansado imenso nas férias e de ter reduzido imenso as coisas que faço em casa. Baixei muito as expectativas e deixei-me de perfeições. Dou prioridade ao importante e ao estritamente necessário e deixo o resto. Há que optimizar o que for preciso e concentrarmo-nos em viver a vida, pois só temos uma!

Neste momento viver a vida passa por descansar bem e recuperar energias. Passa por aproveitar os fins-de-semana da melhor forma e fazer aquilo que realmente gosto.

Em relação ao trabalho ando muito cansada e talvez arrependida em relação a este novo caminho que tomei (ou que decidi que tomassem por mim). Quando não sabemos bem o que queremos corremos sempre este risco.

Não posso dizer que faço o que realmente quero, que adoro o que faço, que sempre quis fazer isto ou sequer que foi para isto que estudei. Nada disso. O meu percurso foi sendo feito, às vezes sem pensar muito e simplesmente aceitando desafios que vão aparecendo no caminho.

Antes nem sequer pensava se fazia ou não sentido, se ia de encontro àquilo que realmente queria na vida. Hoje em dia, já é difícil não pensar nisso, sobretudo devido a tudo que li e aprendi com o estilo de vida minimalista.

Mas e aproveitar nesses conhecimentos e realmente decidir o que quero? E realmente perceber se tudo isto faz ou não sentido? Até penso, até acho que chego a algumas conclusões, mas depois deixo-me ir na correria dos dias e de todas as tarefas que há para fazer. Afinal não há cá tempo para conversas nem desabafos no trabalho, temos trabalho a fazer, temos prazos a cumprir e siga para a frente. 

Quando dou conta não fiz nada do que tinha planeado, não disse nada do que tinha imaginado e conversado comigo mesma.

Depois temos outras pessoas que puxam por nós, que acreditam que somos capazes e que querem que continuemos e nós temos medo de desiludir essas pessoas, não queremos fazê-lo.

Então quem é mais importante neste processo, nós ou aqueles que nos são mais queridos? A resposta não é fácil. Sei que devemos pensar sempre em nós primeiro, mas na prática raramente consigo fazê-lo (pelo menos quando se trata de pessoas que me são tão queridas e importantes).

Talvez esta chuva que ouço e vejo a bater na janela do meu quarto me ajude a pôr as ideias no lugar, me ajude a tomar decisões (eu que sempre fui tão decidida desde miúda e que agora até tenho dificuldade em decidir as coisas mais simples, como o que é o jantar ou se compro isto ou aquilo).

Às vezes forço-me a não pensar em nada e simplesmente a viver, a deixar os dias passar... Como se isso tornasse tudo mais fácil. Mas não torna. Quando "acordo" ainda me sinto mais longe da saída.

Outras vezes, também acho que dramatizo e que faço grandes reflexões de coisas demasiado triviais. Sempre tive queda para o existencialismo desde a adolescência e esse é um traço meu que não consigo apagar. Sempre gostei de filosofia, sempre gostei de reflectir no sentido da vida e isso não irá mudar assim de um dia para o outro. Mas, por outro lado, também gosto deste traço em mim, pois sempre achei que quem vive sem pensar, não sabe bem o que cá anda a fazer.

Mas às vezes penso "Não serão essas pessoas verdadeiramente felizes"?

O que realmente importa nesta vida? Seguirmos os nossos instintos? Ou seguirmos os conselhos de quem nos está mais próximo? De quem nos conhece bem por fora e por dentro? Será que isto é só uma fase? Será que devo esperar? Será que devo tomar já uma decisão?


Às vezes gostava que existisse um livro com estas e outras respostas!


Bom domingo!

O minimalismo e os amigos de 4 patas

03 setembro 2014


Ter um animal doméstico será uma atitude minimalista?

Depois de eliminar aquilo que não interessa, o minimalismo permite-nos focar naquilo que é mais importante para nós e ter um amigo de 4 patas ou até mais do que um sempre foi importante para mim. Sempre vivi com animais desde miúda e desde que tenho a minha própria casa que achava que o cenário não estava completo sem um amiguinho.

Depois de terem sido consideradas todas as hipóteses e mais algumas (pássaros, coelhos, chinchilas, porcos-da-índia, gatos e cães) escolhemos um amigo canino. O cão permite-nos explorar a natureza, andar ao ar livre e pode passear connosco para quase todo o lado, para além de todas as outras coisas boas que qualquer animal nos dá.

Tenho cerca de um mês para preparar a sua chegada e como em tudo o resto, gosto de planear e de comprar apenas o estritamente necessário, por isso tenho lido muito sobre o assunto. Antes de decidir seja o que for é preciso ler e procurar, sobretudo para quem que como eu, nunca teve um cão. Já há muito que queria ter um cão e por isso interesso-me pelo assunto há muito tempo, mas quando sabemos que vamos mesmo ter é sempre diferente. Será que seremos capazes de dar conta do recado? Será que o novo membro da família será feliz? Claro que penso nisso montes de vezes, claro que sinto alguma ansiedade e algum receio de que as coisas possam não correr bem, mas acho que faz parte! 


Receios à parte, vamos à lista daquilo que é importante.
Para já os imprescindíveis:
  • 2 gamelas (água e comida)
  • Cama (o mais simples possível, pois deverá ser facilmente lavável, sem se estragar, e resistente a eventuais mordidelas). Uma de plástico parece-me o ideal
  • Uma mantinha/colchão/toalha para a cama (convém outro/outra para substituir quando for para lavar). Uma simples toalha serve mesmo e os cães adoram!
  • Jornais/tapetes para educação para fazer as necessidades (no caso de usarem os tapetes convém usar um suporte para os mesmos)
  • Pente/escova para o pêlo
  • Toalhitas para desinfectar/limpar o que for preciso
  • Trela para se ir habituando antes de poder sair
  • Alguns brinquedos (é importante colocar brinquedos diferentes em diferentes alturas do dia. Por exemplo quando saímos de casa podemos deixar os brinquedos que eles mais gostam! Assim garantimos que estão entretidos durante mais tempo)
  • Ração/biscoitos para recompensa
  • Soro fisiológico - para limpar os olhos

Itens não obrigatórios/que se podem comprar mais tarde:
  • Peluche+almofadacalefactora (aquece-se no microondas, coloca-se dentro do peluche e mantém-se quente por muitas horas) - é muito útil nas primeiras noites e no inverno
  • Gel para lavar os dentes (com o gel não é preciso escova, aplica-se com o próprio dedo)
  • Clicker (para treino)
  • Champô (só se pode dar banho a partir dos 4 meses)
  • Produto para limpar as orelhas (muito importante para cães com orelhas compridas)
  • Cinto de segurança para o carro 
E depois disciplina, regras e muito carinho :)

E desse lado, o que me recomendam?


Update: entretanto editei o post com a ajuda dos vossos comentários e após o meu pequenito ter chegado a casa.

Setembro e o meu regresso!

01 setembro 2014


Estive de férias. Aproveitei sobretudo para descansar e simplesmente estar. Visitei o meu querido Alentejo. Li muito. Destralhei. Voltei a pintar o cabelo. Dei férias à escrita e também à cozinha. E tenho uma grande novidade: vou ter um amigo de 4 patas! Sinto-me super feliz! :)

Em Setembro regressa o trabalho e com ele, as rotinas. Vou continuar a simplificá-las ao máximo e a preparar as mudanças que aí vêm com a chegada do novo membro da família.

Espero que continuem desse lado! :)